Pesquisadores

Coordenação Ceres
Profa. Dra. Mariana Miggiolaro Chaguri

Departamento de Sociologia/Unicamp

Possui graduação em Ciências Sociais (2004), mestrado em Sociologia (2007) e doutorado em Sociologia todos pela Universidade Estadual de Campinas (2012). Atualmente é professora do Departamento de Sociologia da Universidade Estadual de Campinas e diretora do Centro de Estudos Rurais (Ceres) da mesma instituição. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Pensamento Social no Brasil, atuando principalmente nos seguintes temas: sociologia brasileira, sociologia da arte e sociologia rural. 

Marco Alejandro Tobón Ocampo

Departamento de Antropologia/Unicamp

Pós-doutorado (em andamento) pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (PPGAS) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, Brasil. Fez doutorado em Ciências Sociais no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH/Unicamp); mestrado em Estudios Amazónicos na Universidad Nacional de Colombia sede Amazonia e graduação em Antropologia na Universidad de Caldas. Desenvolve pesquisas sobre os seguintes temas: Cultura e Política, Antropologia Rural, Antropologia Política e Etnologias. É subdiretor do Centro de Estudos Rurais (CERES/IFCH) e membro do corpo editorial da Revista de Antropología y Sociología: VIRAJES.

Pesquisa atual: “Os bailes rituais e a cura da guerra. A Amazônia Indígena nos pós-acordos de paz na Colômbia.”

Resumo: “O  povo indígena Murui-Muina da Amazônia Colombiana têm realizado, ao longo da sua história, bailes rituais com o propósito de transformar as forças ameaçantes, da animalidade, em experiência humana, o perigoso em proteção, a hostilidade em festividade. Nos últimos vinte anos, quando a guerra entre a guerrilha das FARC e as forças militares chegou no território indígena, os grupos armados foram nomeados como animais do mato, predadores forasteiros. Os bailes rituais, portanto, dirigiram seus objetivos para a geopolítica do conflito, empregando-se para transformar a ferocidade da guerra em cuidado mútuo, os riscos da violência em defesa da vida. Atualmente, com o término da guerra através do acordo de paz (peace making) e, com os desafios históricos de implementar o conteúdo do pactuado (peace building), os bailes rituais adquirem uma centralidade vital atuando como ferramenta política voltada a construir cenários de encontro na vida local, além das agendas estatais e oficiais. Em face dessa realidade, este projeto propõe-se a pesquisar os usos políticos dos bailes rituais como ferramentas culturais potencializadoras de fatos de reconciliação na vida regional. A hipótese é que o complexo cerimonial dos Murui-Muina expõe formas de luta política coletiva capaz de intervir e construir a história, ao mesmo tempo em que fortalecem e alimentam a unidade e autonomia indígena, assim como expõem uma tomada de posição formadora de um sujeito político coletivo amazônico. Por conseguinte, a pesquisa focalizará nas práticas cerimoniais como espaços que promovem uma mentalidade construtora de paz, uma cidadania indígena defensora de sua condição cultural. O estudo será desenvolvido a partir da observação participante e o uso da fotografia e vídeo, pautado pela bibliografia antropológica pertinente e tendo a comparação como perspectiva de análise.”

Orientador/a: Nashieli Cecilia Rangel Loera  

 

Profa. Dra. Nashieli Rangel Loera

Departamento de Antropologia/Unicamp

A pesquisadora defende a universidade pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada.

É professora do Departamento de Antropologia da Unicamp e atualmente é Diretora do Centro de Estudos Rurais (CERES). É professora permanente do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social e do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da mesma universidade. Foi professora do Departamento de Sociologia e Antropologia da UNESP (campus Marília) de 2013 a 2015. É formada em Sociologia, com especialidade em América Latina pela Universidad de Guadalajara (México). Realizou mestrado (2004) e Doutorado (2009) em Antropologia Social na Unicamp. Sua dissertação de mestrado foi premiada como melhor trabalho do projeto PROCAD/CAPES “Ciências Sociais e Formação de pesquisadores” sediado na Unicamp e em 2006 foi publicado sob o título “A espiral das ocupações de terra”. No período de 2010 a 2015 coordenou a pesquisa “As formas de acampamento” financiada pela FAPESP na modalidade Jovem Pesquisador. Como fruto desta pesquisa foi formado o grupo de pesquisa Movimentos, Ocupações e Estado (MOvE) sediado no CERES-Unicamp. Foi presidenta no período de 2014-2016 da Food, Agriculture, and Rural Studies Section da Latin American Studies Association (LASA) e atualmente coordena o grupo de trabalho “Reinvenciones de lo común” financiado pelo Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO). Suas pesquisas tem como interesse central o modo de vida de populações camponesas e indígenas, os processos de mobilização social que envolvem direitos sociais e terras, e os modos de relação das populações rurais com o Estado.